Assessoria Astrológica Personalizada

TAG | Astrologia

A Astrologia é um sistema organizado de informações baseadas em símbolos vinculados com os corpos celestes (sobretudo estrelas, planetas, o Sol e a Lua), refletindo nossa realidade neste planeta. A Astrologia ocidental (ou tropical, como a chamam muitos) tem sua simbologia baseada nas estações do ano, conforme observado no hemisfério norte, com o equinócio de primavera identificado com o signo de Áries, dando este início à seqüência dos signos zodiacais. Assim sendo, o ponto zero de Áries é o ponto que o Sol ocupa na esfera celeste no equinócio de primavera (naquele hemisfério). Todos os signos são definidos como segmentos iguais no círculo zodiacal, com Libra no equinócio de outono e com Câncer e Capricórnio nos solstícios de verão e inverno. É claro que aqui no hemisfério sul os solstícios e equinócios têm uma diferença de seis meses, considerando-se, porém, que, dado o tamanho ínfimo do planeta em relação à esfera celeste considerada, a mencionada vinculação energética com o hemisfério norte não prejudica o sistema de símbolos que já é aceito há muitos séculos.


A Astrologia realmente funciona?

A Astrologia existe há mais de 6.000 anos, porquanto foi desenvolvida pelos assírios e caldeus, sabendo-se que também era bastante utilizada pelos egípcios antes da era cristã; e que os gregos, com sua mitologia, deram uma grande contribuição para os arquétipos ligados aos signos (constelações) do Zodíaco e aos ‘planetas tradicionais’ (ou deuses) : Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno. Já Ptolomeu, no século II d.C., se destacou pela organização de sistemas, que embasaram padrões mantidos através dos séculos. A Astrologia moderna passou a utilizar também os planetas Urano, Netuno e Plutão (descobertos nos últimos 170 anos) e, mais recentemente, Quíron, que é considerado por muitos um planetóide e por outros, apenas um asteróide; há ainda (outros) asteróides e pontos que são mais — ou menos — importantes, de acordo com a atuação de cada profissional da área.
Essa Astrologia não é a que a mídia veicula, embora atualmente haja astrólogos sérios e competentes colaborando para diversos meios de divulgação. Ocorre que o horóscopo ou mapa astral de uma pessoa é muito mais abrangente do que resumos veiculados em jornais e revistas não especializados.
Desde o início da década de 1980, com o interesse maior pela Astrologia, houve uma espiral positiva de divulgação, que provocou o aumento gradativo das publicações. Por outro lado, o desenvolvimento tecnológico trouxe grande facilidade para os cálculos dos mapas por computador, e a globalização tem constituído uma contribuição notável para o ‘status’ atual da Astrologia.
Assim é que, hoje, a quantidade de pessoas que confirmam que a Astrologia funciona é muito maior do que há dez anos, tendo em vista inclusive que a própria mídia tem colaborado para dissolver julgamentos equivocados. Essa parcela da população já reconhece que o mapa astral, por não ter apenas um objetivo oracular e sim, por mostrar as características da personalidade (incluindo qualidades, limitações, necessidades, valores e talentos, preferências afetivas e objetivos em geral), é ferramenta importante para o auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal.

Minimizar

© 2009 - www.chiron.com.br Voltar ao Topo